quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Que venha 2012!

As últimas semanas foram muito corridas e excessivamente aceleradas, principalmente por causa da viagem que farei à Índia no dia 2/1/2012. Senti minha cabeça acelerada, percebi minha respiração acelerada e o corpo apressado e em estado de alerta. Até a minha fala ficou diferente. Não consegui praticar as posturas de yoga nem ontem, nem anteontem, infelizmente. Mas consegui durante esses momentos ansiosos voltar a atenção para o momento presente, para o que eu estava fazendo (mesmo que fosse algo como pagar uma conta no banco), direcionando meu foco para a minha respiração. Impressionante como uma atitude tão simples pode nos acalmar e tornar os pensamentos mais claros.
Não tenho uma lista de desejos nem resoluções para 2012. Só desejo poder vivenciar cada acontecimento com discernimento e tranquilidade: alerta e relaxada! Presente no momento presente.
Uma linda entrada de ano para todos!
Tentarei mandar notícias lá da Índia, mas se não conseguir, até a volta!!
Não tem jeito: vou ter que fazer uma foto clássica (e batida) como esta...

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Yoga durante o período pré-menstrual


Como prometi, a última parte da série de vídeos sobre a saúde feminina!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Meditação e criatividade

Acabei de devorar o livro "Em Águas Profundas - Criatividade e Meditação" (ed. Gryphus), do diretor de cinema David Lynch. Estava curiosa porque afinal o diretor de obras-primas como "O Homem Elefante", "Veludo Azul" e "Cidade dos Sonhos" não lança nenhum filme desde 2006 e tem cada vez mais feito aparições falando com entusiasmo sobre a meditação transcendental, que pratica diariamente há 38 anos.
A leitura é contagiante não só pelo relato de um artista interessantíssimo falando sobre os benefícios da meditação em sua vida prática, mas também para conhecer um pouco mais de seu universo. Em capítulos curtos, ele discorre inclusive sobre o processo de criação de alguns de seus filmes mais importantes e fala sobre como a meditação o ajudou a ficar mais criativo:

"Se sua consciência é do tamanho de uma bola de golfe, seu entendimento terá o mesmo tamanho quando você ler um livro; e assim será quando olhar por uma janela, quando se levantar de manhã, quando perceber as coisas e durante o transcorrer do seu dia.
Mas se você expande essa consciência, se faz crescer, seu entendimento será maior quando ler aquele mesmo livro; e terá mais alegria interior quando olhar pela janela, quando perceber as coisas, quando se levantar e durante o seu dia.
As ideias podem ser apanhadas em um nível mais profundo. E nesse nível a criatividade realmente flui. Isso torna a vida cada vez mais parecida com um jogo fantástico."

Lynch, o meditador





segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Será que o Almodóvar pratica yoga?



Perturbador e imperdível! O filme mais recente do diretor espanhol Pedro Almodóvar, "A Pele que Habito", deixa rastros depois da sessão, e nos dias que se seguem. Pelo menos para mim tem sido assim... Vi o filme no sábado e até agora estou em processo de digestão... Quem gosta de cinema tem que ver!
E não é que a protagonista pratica yoga pra aguentar a situação de cárcere privado em que vive? Nada mais pertinente, aliás, já que a finalidade do yoga é a liberdade.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Clareza mental

Uttanasana (Postura em Pé com Flexão para a Frente): removendo confusões mentais
"Há nove tipos de obstáculos ao desenvolvimento da clareza mental: doença, estagnação mental, dúvida, falta de prudência, fadiga, excesso de complacência, ilusões sobre o seu próprio estado mental, falta de perseverança e retrocesso. Eles são obstáculos porque criam perturbações mentais e estimulam a distração." (Sutra 1.30, "Yoga Sutras", Patanjali)





quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

"Yoga é a habilidade de voltar a mente exclusivamente em direção a um objeto e sustentar essa direção sem quaisquer distrações." (Sutra 1.2, "Yoga Sutras", Patanjali)

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Leitura para a vida toda

Não se sabe ao certo quem foi Patanjali, o responsável por organizar e apresentar de forma sintética os ensinamentos do yoga. Porém, sua contribuição para o conhecimento de como funciona a mente (e como lidar com esse funcionamento) é incalculável, já que esse conhecimento estava presente nos Vedas (textos antigos sagrados), porém sem uma organização sistemática. Patanjali talvez tenha vivido entre 5000 a.C. e 300 d.C. e deixou como legado seu "Yoga Sutras", o livro que é considerado o mais importante para o estudo do yoga. Não se trata de uma leitura fácil (muitos dizem inclusive que esses textos são para estudar ao longo de uma vida). Mas há livros do livro, ou seja, interpretações dos sutras por outros mestres que nos ajudam a decifrá-los. Vale o esforço!
Sugestões: "Os Sutras do Yoga de Patanjali", tradução e comentários por Sri Swami Satchidananda, Editora Del Rey LTDA; "Light on the Yoga Sutras of Patanjali", B. K. S. Iyengar, APH Publishing Corp. (para quem lê em inglês, claro!) e "O Coração do Yoga", T. K. V. Desikachar, editora Jaboticaba.
Patanjali, o pai do yoga

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Yoga no período pós-menstrual


A terceira e penúltima parte da série de vídeos criada pela professora Fabiana Rodrigues.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A felicidade do nada

Uma garota na chamada de um programa da TV Cultura (não lembro qual) fala: "Nunca consigo chegar lá porque quando chego lá já é aqui!".
É isso o que nos diz todos os dias o yoga: viva o(no) presente.
Trocando em miúdos, o passado não existe (afinal ele já aconteceu), tampouco o futuro (ainda vai acontecer). Portanto, nada mais lógico do que viver o eterno presente (o aqui). Mas por que é tão difícil?! Talvez porque a mente precisa se apegar a algo diferente do "nada": seja ao confortável conhecido (o passado) ou ao sedutor desconhecido (o futuro). O presente repousa no nada, talvez por isso a mente fuja dele... Mas a tranquilidade se encontra exatamente nesse nada que é o presente. Podemos experimentar isso durante um átimo de segundo, que seja, mas a paz que vem daí é impagável. Praticar yoga é uma das formas mais eficazes de nos trazer sempre de volta para o presente. Para o nada...
Savasana (Postura do Morto) nos ensina a repousar no presente

sábado, 19 de novembro de 2011

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Yoga para Mulheres (e Homens)


A professora Fabiana Rodrigues (fabirodriguesyoga.blogspot.com) gravou uma série de vídeos curtos sobre a prática de posturas de yoga direcionadas para cada fase do ciclo mensal feminino. Essa prática, no entanto, beneficia também os homens. Portanto, todo mundo sai ganhando!
Vou publicar aqui esses vídeos durante as próximas semanas. Aproveitem!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

"Não há nada em que se segurar - exceto a realidade de realizar o presente seja lá o que ele for - porque é assim que é e é muito melhor." (Marilyn Monroe)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

“O homem sábio deixa tudo ir,
 Resultados bons e ruins.
E foca-se na ação apenas.
Yoga é ação consciente”  ("Bhagavad Gita")

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Dica

Estou lendo o livro "O Coração do Yoga", de T. K. V. Desikachar. Esse professor é filho (e foi aluno) de Sri T. Krishnamacharya, que por sua vez foi professor de grandes mestres como B. K. S. Iyengar e Pattabi Jois.
Recomendo!
"Muitas interpretações para a palavra yoga nos foram legadas com o passar dos séculos. Uma delas é 'juntar', 'unir'. Outro significado é 'atingir o que era antes inatingível'. O ponto de partida para esse pensamento é que há algo que desejamos e não somos capazes de fazer hoje; quando encontramos os meios para transformar esse desejo em ação, esse passo é yoga. Na verdade, toda mudança é yoga." 

P.S: Não estou conseguindo postar comentários, não sei o que acontece...
Lu! Marineide e eu partimos dia 2/1/2012!! Carlos, obrigada pela ótima dica!

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O valor da palavra


Em breve estarei viajando para a Índia com uma amiga pela primeira vez. Desde que começamos a planejar a viagem, viramos ratas de blogs, livros, revistas, enfim, tudo o que nos dê notícias e ideias sobre o país em que nasceu o yoga. Fora as conversas com quem já foi pra lá... Cada qual com suas impressões, dicas, memórias tem nos ajudado a formar um mosaico na cabeça... Por mais que a gente viaje sabendo por outras pessoas que a comida é apimentada ("então, cuidado!"), que a sujeira, higiene duvidosa e o caos imperam ("relaxem!"), que os indianos têm esperteza nata e podem querer te passar para trás ("fiquem espertas!"), só vamos realmente ter a dimensão do "exotismo" vivenciando-o. Mas a primeira impressão que tive da Índia por enquanto foi a melhor. Fiz a reserva do hotel em que chegaremos em Nova Dheli por email. Até aí ok. Mas o que há de relevante em relação a isso que me fez querer escrever aqui? A reserva está feita na palavra. Não tive que deixar "um sinal" (como dizem aqui), nem pagar metade (sim, eles aceitam cartão de crédito), nem nada! Tive que dizer qual quarto queremos, o dia em que chegamos, nossos nomes, o número e o horário do voo!! "E, por favor" - disse o simpático atendente naquele inglês só deles (o meu é bem pior...)-, "confirmem 10 dias antes se vocês vêm mesmo para a Índia". What??? Quase respondi assim! Minha gente, estou falando de Nova Dheli, a capital do país!! Senti um misto de encantamento e (confesso) desconfiança. Tipo "será mesmo que o quarto tá garantido? Não sei não..." Infelizmente, eu fiquei espantada. Não deveria. Idealizações à parte, o mundo seria bem menos miserável em todos os sentidos se as pessoas confiassem na palavra umas das outras, se a palavra fosse o termômetro das relações...
As cenas dos próximos capítulos eu conto depois!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Yoga e foco

"Um grupo de pessoas desejava atravessar um largo rio. Todos entraram num barco e se puseram a remar. Naquele momento, uma espessa névoa desceu sobre o rio, tirando toda a visão dos que estavam a bordo. Com grande esforço, o grupo remou a noite toda. De manhã, o sol surgiu e a névoa se disspou. Surpresa total! Estavam ainda na mesma margem! Haviam esquecido de desamarrar o barco do cais...
Sem o controle da mente, sem foco no propósito, só há desperdício de tempo e energia."
Fonte: "Escrito nas Estrelas - Astrologia Védica no Dia a Dia", Horácio Tackanoo e Fabiana Marquezini

Todos temos reserva de energia mas em muitas situações não sabemos direcioná-la para o lugar correto, o que causa falta de foco, falta de iniciativa (ação presente no momento presente!) e muitas vezes cansaço. A prática regular do yoga nos ensina a canalizar nossa energia, aumentando a eficácia das nossas ações e, consequentemente, elevando nosso grau de satisfação com a vida.


Sukhasana (Postura Simples) nos ensina a canalizar nossa energia e manter a mente focada


quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Yoga durante o período menstrual

Duas queridas amigas e professoras de yoga vão ministrar esta aula em São Paulo. Não percam!

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Firmeza e flexibilidade

"Toxinas físicas e mentais criam enrijecimento e tensão. Qualquer coisa que pode enrijecer-nos pode também quebrar-nos. Entretanto, se nos mantivermos flexíveis jamais quebraremos.
Isso me faz lembrar a conversa entre uma pequena erva e uma grande árvore. Ambas cresceram à margem da correnteza de um rio na selva. Um dia a árvore olhou para a erva que estava lá embaixo e disse: 'Hei, criaturinha insignificante, por que você fica perto de mim? Não tem vergonha de estar a meu lado? Vê como sou frondosa, grande e alta? Mas olhe só você. Ah! Você não deveria ter vindo aqui. As pessoas notarão a diferença e rirão de você. Por que não se muda para algum outro lugar?'
A erva inclinou a cabeça. 'Senhora', disse, 'que posso fazer? Não vim para cá de propósito. Estou aqui por mero acaso. Sei que não sou tão forte e rija quanto a senhora. Mas, por favor, perdoe minha presença.'
'Está bem', disse com voz rouca a árvore, 'mas não esqueça seu lugar!'
Essa conversa aconteceu durante a estação de chuvas. Exatamente no dia seguinte caiu uma chuva pesada, inundando a floresta e causando uma enchente terrível. Nas enchentes, as margens do rio sofrem erosão e arrastam qualquer coisa que está em seu caminho. Com tal força vieram as águas, que arrastaram imediatamente a grande árvore. Mas a erva dobrou-se, achatou-se completamente e deixou que as águas passassem sobre ela. Quando terminou a enchente, ela ergueu-se outra vez. Olhando para um lado e outro, admirou-se: 'Que aconteceu com a grande árvore?Não a estou vendo.'
De longe, ela ouviu a árvore replicar: 'Estou sendo levada pelas águas. Eu deveria ter sido humilde, simples e flexível como você. Agora vou ser destruída.'
O que necessitamos é da resistência do aço, mas com a sua flexibilidade - não como o ferro bruto, que é muito forte e duro, porém quebra."  ("Os Sutras do Yoga de Patanjali - Tradução e Comentários por Sri Swami Satchidananda)

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

sábado, 13 de agosto de 2011

Luís de Camões


Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.



Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.




O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.




E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

"Você pode empurrar um piano por três lances de escada, mas não pode forçar a febril mente humana a se aquietar. A única coisa que você pode fazer é exercitá-la para estar vigilante a tudo que perturbe seu equilíbrio."  (B.K.S. Iyengar)

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Estudos sobre Fisiologia e Biomecânica Aplicada ao Yoga



Para professores de yoga e terapeutas corporais que queiram aprofundar seus conhecimentos, o professor Leonardo dos Santos oferece a partir de 13 de agosto um curso dividido em 9 módulos que vai abordar asanas (posturas), pranaiamas (técnicas respiratórias) e demais técnicas do Hatha Yoga com enfoque em anatomia e fisiologia. A boa notícia para alguns e má para outros: os estudos acontecerão em Porto Alegre (RS). Informações detalhadas em http://leosantosyoga.wordpress.com/category/curso/.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Coluna lombar feliz

Uma aluna que pratica corrida me disse que quando acaba o treino sente que a região da lombar está "acabada"! (palavras dela!). Então, ela me pediu dicas de posturas de yoga para aliviar essa porção da coluna depois de correr. Escolhi três num cardápio de muitas. Esta sequência vale não só para corredores, mas para colunas lombares magoadas em geral:

Urdhva Prasarita Padasana (Alongamento da Perna com o Rosto para Cima): com as nádegas na parede (ou o mais próximas possível), alongue os ossos das mesmas em direção à parede e pressione as coxas contra a parede enquanto alonga os braços acima da cabeça. Fique de 30 a 60 segundos na postura e depois relaxe. Atenção: mulheres no período menstrual não façam esta postura! (o ângulo em que foi tirada esta foto dá a impressão de que o braço direito está mais longo que o esquerdo, mas é pura ilusão! As mãos estão alinhadas).


Eka Pada Supta Pavanmuktasana: mantenha firme a coxa que está esticada e o pé pressionando a parede. Traga o joelho que está flexionado o mais próximo possível do peito. Faça com a outra perna. Permaneça de 30 a 60 segundos de cada lado.


Adho Mukha Svanasana (Postura do Cachorro Olhando para Baixo): esta é um curinga para os corredores. Os calcanhares na parede criam uma alavanca que é interessante pois proporciona maior elevação das coxas. Permaneça na postura durante 30 segundos a 1 minuto.
Fotos: Carla Secaf




quinta-feira, 28 de julho de 2011

Pressão sob controle

Muitos alunos meus sofrem de pressão alta. No entanto, uma dessas alunas veio me perguntar o que fazer quando a situação contrária acontece. Se a pressão baixa, o melhor a fazer é se deitar e deixar a cabeça com uma altura maior em relação ao corpo todo. De qualquer forma, há várias posturas de yoga que controlam a pressão arterial, claro, desde que praticadas regularmente. Supta Baddha Konasana (Postura Reclinada em Ângulo Fechado) é boa pedida não só para controlar a pressão mas também para acalmar os ânimos quando vem aquele mal estar típico da pressão baixa. Se você pratica yoga regularmente, pode tentar ficar nesta postura por 5 a 10 minutos. Se não, fique 1 minuto na postura e vá aumentando o tempo de permanência conforme vai avançando em sua prática. E atenção: só faça a postura sozinho em casa se já tem segurança ao praticá-la durante a aula!

Relaxe as virilhas e os joelhos...


...lembre-se de relaxar a língua e a garganta!

Fotos: Luciana de Araújo

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Yoga e esportes

Uma aluna foi esquiar em Ushuaia - a capital da Terra do Fogo, na Argentina - e lembrou de mim! Minto... Ela lembrou de Tadasana, a Postura da Montanha, e de como as ações deste asana  podiam ajudá-la a se equilibrar melhor sobre os esquis.


"Em geral, as pessoas não prestam atenção ao método correto de ficar em pé. Alguns apoiam o peso do corpo apenas sobre uma perna, ou com uma perna totalmente torcida para o lado. Outros colocam todo o peso nos calcanhares, ou na borda interna ou externa dos pés. (...) Devido à nossa postura ereta defeituosa, adquirimos deformidades específicas que prejudicam a elasticidade da coluna. (...) É portanto essencial dominar a arte de ficar de pé corretamente." (B.K.S. Iyengar em "A Luz da Ioga", editora Cultrix)

Para quem quiser ler mais sobre a Postura da Montanha, há um texto ótimo no blog http://www.anatoledoyoga.com.br/:

terça-feira, 12 de julho de 2011

segunda-feira, 4 de julho de 2011

"O asana [postura] deve ser honrado e virtuoso. 'Honrado' aqui significa que deve ser sincero. Você não deve fingir nem trapacear. Cada centímetro do corpo deve ser tomado pelo asana, desde o peito, os braços e as pernas até a ponta dos dedos dos pés e das mãos, para que ele irradie do centro do corpo e ocupe todo o diâmetro e a circunferência dos seus membros. Você deve sentir a inteligência, a percepção e a consciência em cada centímetro do corpo."  (B.K.S. Iyengar)

terça-feira, 28 de junho de 2011

Para aquecer...

Em Ribeirão Preto faz 8 graus às 9h45! Parece que agora vai, inverno de verdade...
Então, nada melhor do que esquentar o corpo de dentro para fora praticando asanas (posturas) energizantes. A sugestão do dia é Urdhva Dhanurasana, a Postura do Arco para Cima. Mas, atenção: só faça esta postura se você já pratica em aula!

"Esta asana é o começo das posições avançadas e difíceis de arqueamento das costas. Tonifica a espinha, esticando-a totalmente, mantendo o corpo alerta e flexível. As costas ficam fortes e cheias de vida. Reforça os braços e pulsos e tem efeito calmante sobre a cabeça. Dá grande vitalidade, energia e sensação de leveza." ("A Luz da Ioga", B.K.S. Iyengar, editora Cultrix)

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Yoga e Música



*O texto abaixo foi escrito especialmente para a Movimento Vívace, revista da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, edição de junho de 2011.

"Pela meditação profunda, o conhecedor, o conhecimento e o conhecido tornam-se um só. O vidente, a visão e o que é visto não têm existência separada um do outro. É como um grande músico tornando-se uno com seu instrumento e a música que dele sai." Assim define o mestre indiano B.K.S. Iyengar os efeitos da prática constante de yoga em seu livro "A Luz da Ioga". A palavra "yoga" vem do sânscrito "yuj" e significa "unir", "ligar", "reunir". Essa ciência tão antiga - que nasceu na Índia há mais ou menos 8 mil anos - nos ensina a unir o nosso corpo (em toda a sua densidade e concretude) à nossa mente (por natureza inquieta e tagarela). Conseguir permanecer presente de corpo e mente no momento presente é uma das principais lições que aprendemos com a prática da yoga. E uma das coisas que menos fazemos no nosso dia a dia... Quantas vezes você já se pegou fazendo uma coisa e pensando em outra? Quantas vezes você almoçou com um amigo e passou o encontro todo pensando no próximo compromisso?
Numa aula de yoga nos esticamos, ficamos de cabeça para baixo e em posições (asanas) talvez bizarras para quem vê de fora simplesmente para aprender a acalmar nossas mentes. Simplesmente para aprendermos (veja só!) a viver no presente. Partimos do que há de mais concreto e palpável (o corpo) para tentar acessar nossa porção quase indomável (a mente). Para isso, precisamos praticar constantemente. Na música se dá o mesmo: para o músico, não basta dominar seu instrumento para ser um artista. Ele precisa dominar a técnica e colocá-la a serviço da própria alma. Se assim não fosse, não haveria diferença entre grandes artistas e meros executores de partituras...
Quando estudava piano, lembro de me dedicar muito, estudar 6, 8 horas por dia. Estudava, estudava e estudava... Um belo dia, pensava: "Pronto. Finalmente consegui. Ufa!". Aí chegava a professora e dizia: "Agora precisa colocar alma na música." Aquilo era praticamente um balde de água fria em cima da minha partitura. "O quê?? Não estou nem no meio do caminho?", eu pensava. Como era difícil me desprender da técnica e deixá-la me ajudar a comunicar algo. Como era difícil sair da execução e passar de fato para a interpretação! Mas quando finalmente conseguia a sensação de felicidade e liberdade era indescritível. O mesmo se dá com a prática de yoga: as posturas realizadas com o cérebro trazem invariavelmente uma sensação de peso no corpo.
Segundo os mestres iogues, esse é o modo errado de realizá-las. Quando conseguimos praticar com o coração (não estou dizendo que é fácil...) e deixar o cérebro como observador da ação, a postura se torna leve e automaticamente nos sentimos felizes e, claro, livres. Yoga é isto: um estado de presença absoluta e leveza.
Difícil explicar com palavras, mas fácil de saber quando acontece. Música é isso. Não é exercício virtuosístico. É uma espécie de entrega total, presença total que comunica e é capaz de emocionar e vai além do domínio da técnica.
Ouça, por exemplo, a cantora Nina Simone. Domínio absurdo do potencial da própria voz aliado à presença verdadeira na ação. Ela e sua música são uma coisa só... Isso é arte. Isso é pura yoga.
Seja na música, seja na prática de yoga, aprenda a viver no presente e seja feliz!

terça-feira, 21 de junho de 2011

Reflexão

"Todos querem ser felizes. Há alguma coisa em que podemos pensar que não o queira? Até uma pequenina minhoca posta ao sol move-se imediatamente em direção à sombra. Se colocarmos uma planta dentro de casa ela se voltará aos poucos em direção à luz, porque também deseja ser feliz. A felicidade parece ser a necessidade básica de tudo neste mundo, ainda que raramente alguém de fato a encontre. Por quê? Porque a felicidade é como o almiscareiro. Há nas antigas Escrituras uma fábula sobre esse animal, que possui no alto da cabeça um ponto que exala a fragrância do almíscar. Esse cervo corre aqui e ali à procura do aroma, não sabendo que o aroma vem do alto de sua própria cabeça." ("Os Sutras do Yoga de Patanjali", tradução e comentários de Sri Swami Satchidananda)

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O agora e a felicidade


"(...) Mas nas menores como nas maiores felicidades é sempre o mesmo aquilo que faz da felicidade felicidade: o poder esquecer ou, dito mais eruditamente, a faculdade de, enquanto dura a felicidade, sentir-se a-historicamente. Quem não se instala no limiar do instante, esquecendo todos os passados, quem não é capaz de manter-se sobre um ponto como uma deusa de vitória, sem vertigem e medo, nunca saberá o que é felicidade e, pior ainda, nunca fará algo que torne outros felizes."
                                                                   Friedrich Nietzsche, "Da Utilidade e Desvantagem da História para a Vida", Considerações Extemporâneas, em Obras Incompletas, coleção Os Pensadores, vol. II

terça-feira, 7 de junho de 2011

Notícia boa

A revista IstoÉ desta semana traz como matéria de capa "As Novas Aplicações da Ioga". Na verdade, não são novas, já que a ioga é uma ciência que existe há pelo menos 5 mil anos (alguns estudiosos dizem que já há evidências comprovando a existência desse estilo de vida há 8 mil anos). O que é novo, e a revista fez uma reportagem séria que se esmerou em pesquisar sobre o assunto sem cair em simplificações, é o fato de a medicina ocidental estar incluindo a prática de ioga na sua lista de recursos contra as doenças. Como diz a matéria, pesquisadores do MD Anderson Cancer Center - uma das principais instituições do mundo para o tratamento de câncer - apresentam nesta semana, no congresso da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, em Chicago, os resultados de um trabalho em que relatam como a ioga ajuda a tratar o câncer. Isso chama a atenção, já que se trata de um evento mundial em que a comunidade científica se reúne para divulgar as novidades referentes à medicina tradicional. Outra boa notícia é a inclusão da prática de ioga em hospitais de São Paulo, como o Albert Eisntein e o A.C. Camargo. Há várias outras instituições sérias citadas na matéria, como a Boston University School of Medicine, que engrossam o coro de cientistas ocidentais que vêm comprovando o alcance da prática de ioga na melhoria de doenças psiquiátricas, cardíacas, respiratórias, hormonais, entre outras, e na qualidade de vida também de pessoas saudáveis. Quem tiver curiosidade de ler a matéria:

http://www.istoe.com.br/reportagens/140391_TODO+O+PODER+DA+IOGA?sms_ss=twitter&at_xt=4dedf17d242a09b7,2

E depois da leitura, pratiquem!
Namastê.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Ditado sânscrito

Mana eva manushyanam karanam bandha mokshayoko
("O homem é aquilo que pensa; prisão ou liberdade está em sua própria mente.")

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Joelhos saudáveis com Virasana

Virasana (Postura do Herói)
"A palavra 'virasana' vem da mesma raiz da palavra 'viril'. Na cultura asiática, os joelhos se conectam à força da vida. Quando eles são saudáveis e flexíveis, e têm uma boa circulação, isso indica uma boa vitalidade." (Tias Little, do Prajna Yoga, Novo México)
Fonte: revista Yoga Journal
Foto: David Martinez para Yoga Journal
Atenção: as posturas de yoga devem ser praticadas com a orientação de um professor. Só faça a postura em casa se tiver segurança ao praticá-la durante a aula!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

"A coragem é um meio-termo em relação aos sentimentos de medo e confiança."
                                                                                                  Aristóteles

quarta-feira, 27 de abril de 2011

A paciência

No Deva Loka, ou plano celeste, onde vivem os seres divinos, existe um grande sábio chamado Narada. Ele viaja por toda parte e algumas vezes vem à Terra para ver como estamos indo. Um dia, estava ele passando por uma floresta quando viu um aluno de yoga que já estava meditando por tanto tempo que as formigas haviam construído um grande monte de terra em volta de seu corpo. O yogi olhou para Narada e disse:
"-Mestre Narada, onde o senhor está indo?"
"-Para o céu, para a casa do Deus Shiva"
"-Por favor, o senhor pode indagar o Deus Shiva durante quantas vidas mais devo meditar? Tenho permanecido sentado aqui por um tempo longo demais. Você poderia ver isso para mim, por favor?"
"-Claro"
Narada caminhou algumas milhas e viu outro homem, mas este estava pulando, dançando e cantando com muita alegria. Quando viu Narada, disse:
"-Hei, Narada! Onde o senhor está indo?"
"-Para o céu"
"-Oh, isto é ótimo! Por favor, o senhor poderia descobrir por quanto tempo devo ficar aqui deste jeito? Quando terei minha libertação final?"
"-Claro, farei isso"
Muitos anos depois, Narada passou outra vez pelo mesmo caminho e viu o primeiro homem, que disse:
"-Narada, não tive resposta alguma de sua parte. O senhor esteve no céu? O que disse o Deus Shiva?"
"-Eu perguntei, mas ele disse que você ainda deverá nascer quatro vezes"
"-Outros...QUATRO...nascimentos???? Não esperei o tempo suficiente????", começou a gritar e a se lamentar.
Narada seguiu seu caminho e encontrou o segundo homem ainda cantando e dançando.
"-Hei, Narada! O que aconteceu? O senhor tem alguma notícia para mim?"
"-Sim. Está vendo aquela árvore ali?"
"-Claro"
"-Pode contar quantas folhas existem nela?"
"-Claro. Tenho paciência para isso. Quer que as conte imediatamente?"
"-Não, não. Você tem o tempo que quiser para fazê-lo."
"-Mas o que isso tem a ver com a minha pergunta?"
"-Bem, o Deus Shiva disse que você terá de nascer tantas vezes quantas forem as folhas daquela árvore."
"Oh! Tanto assim? Bem, pelo menos é um número limitado. Agora sei onde termina, isso é ótimo. Posso terminar isso logo. Agradeço a Deus por não ter dito que seriam as folhas da floresta inteira!"
Nesse exato momento, uma bela charrete veio do céu e o cocheiro disse:
"-Vamos, importa-se de entrar aqui? O Deus Shiva mandou buscá-lo"
"-Estou indo para o céu agora?"
"-Sim"
"-Mas agora mesmo Narada disse que primeiro eu teria de passar por muitos outros nascimentos."
"-Sim, mas parece que você estava pronto e disposto a fazer isto, então, por que motivo deveria esperar? Vamos"
"-E o outro homem?"
"-Ele não está pronto nem mesmo para esperar mais quatro nascimentos. Deixe-o esperar e trabalhar mais"
(Essa história é contada nas escrituras hindus, e foi extraída do livro "Os Sutras do Yoga de Patanjali", tradução e comentários de Sri Swami Satchidananda, editora Del Rey Ltda.)

terça-feira, 19 de abril de 2011

Sirshasana para a saúde do cérebro



"Os livros antigos chamam a Sirshasana de rainha de todas as asanas, e as razões não são difíceis de imaginar. Quando nascemos, normalmente a cabeça vem primeiro, seguida pelos membros. O crânio encerra o cérebro, que controla o sistema nervoso e os orgãos dos sentidos. O cérebro é a sede da inteligência, do conhecimento, do discernimento, da sabedoria e do poder. É a sede do Braman, a alma. Um país não pode prosperar sem um rei ou chefe constitucional para guiá-lo; assim, o corpo humano não pode viscejar sem um cérebro saudável." ("A Luz da Ioga", B.K.S. Iyengar, editora Cultrix)
Atenção: Mulheres no período menstrual não devem praticar esta postura. Pessoas que sofrem de glaucoma, pressão nos olhos, problemas nos ouvidos, pressão alta, espondilose cervical, dor nas costas, dor de cabeça e enxaqueca também devem evitar fazer Sirshasana.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

"Sensibilidade não significa fraqueza ou vulnerabilidade. Trata-se de clareza de percepção, o que favorece ações precisas e perspicazes." (B.K.S. Iyengar)

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Inspiração

"Nosso receio mais profundo não é de que sejamos inadequados. Nosso receio mais profundo é que o nosso poder não tem limites. É a nossa Luz, não a nossa sombra que mais nos amedronta. Quem sou eu para ser genial, grandioso, talentoso e admirável? Na verdade quem é você para não o ser? Seu agir pequeno não serve ao mundo. Não há nada de esclarecedor em se diminuir para que outras pessoas não se sintam inseguras perto de você. Nós nascemos para tornar manifesto o Brilho; ele está em cada um de nós! E à medida que deixamos nossa luz brilhar, inconscientemente, damos aos outros a permissão para fazer o mesmo. À medida que nos libertamos dos nossos próprios medos e limites autoimpostos, a nossa Presença, automaticamente, liberta o outro." (Nelson Mandela)

Não sei se o Mandela pratica posturas de yoga, mas certamente ele é um iogue de mão cheia...

segunda-feira, 28 de março de 2011

Em tempos de 'laptoptite'...

Hoje, o jornal "Folha de S.Paulo" noticiou uma nova modalidade de enfermidade: a síndrome da má postura causada por laptops. Estes, que deveriam ser usados somente em viagens ou em situações de emergência, passam a ser os protagonistas da vez (eu mesma escrevo agora usando um)... O uso prolongado dos notebooks, cujo formato dificulta a boa postura, pode causar problemas nos ombros, cotovelos, punhos e na coluna, além de dor de cabeça. Esse conjunto de sintomas já é chamado nos consultórios médicos de laptoptite.
Contra males contemporâneos, lá vem a yoga - ciência que tem mais ou menos 8 mil anos de existência - nos socorrer...

Gomukhasana (Postura dos Braços em Cara de Vaca) entra em ação para combater a rigidez dos ombros modernos

sábado, 26 de março de 2011

De volta à infância

No post anterior registrei algumas palavras do mestre B.K.S. Iyengar sobre liberdade. A professora de yoga Mariana Akamine, do blog Algo Sobre Yoga (http://algosobreyoga.blogspot.com/), deixou um comentário muito interessante e cheio de lucidez. Ela apontou que, sim, a yoga nos faz crescer e agir feito gente grande, mas também propõe uma volta à infância ao nos ensinar a ficar de cabeça para baixo e a abrir o peito.
Tem coisa mais deliciosa e "infantil" do que Urdhva Dhanurasana (Postura do Arco para Cima)? Quando somos praticantes iniciantes ela pode até causar medo, mas com o tempo o receio vai ficando para trás, a sensação de parque de diversões vem à tona e dá até vontade de rir. Aliás, abrir o peito desopila o fígado!
Muitas outras posturas de yoga nos levam ao jardim de infância. Então, a prática nos ensina a pisar com segurança no chão (como adultos) e a ter a coragem espontânea das crianças. Como bem pontuou a Mari: "Crianças crescendo a cada dia e nunca parando de crescer..."
Nesta foto, a própria Mari voltando à infância em Urdhva Dhanurasana num dia de sol

quarta-feira, 23 de março de 2011

A yoga ensina: aja como adulto



"Sócrates dizia simplesmente que o autoconhecimento nos permite viver deliberadamente, porque alcançamos um estado de liberdade. (...) A maioria de nós anda pela vida do mesmo modo que um bebê de um ano e meio de idade, que caminha sempre colocando um pé na frente do outro para não cair. Seu andar é um cambalear sustentado, pontuado de quedas. Viver deliberadamente é caminhar como adulto, ter equilíbrio, direção, propósito, e andar em crescente liberdade e segurança rumo à liberdade suprema." (B.K.S. Iyengar)

sábado, 19 de março de 2011

Leveza

Uma aluna saiu da aula feliz da vida porque havia conseguido pela primeira vez se manter com os calcanhares longe da parede em Salamba Sirsasana (Postura do Pouso sobre a Cabeça).Mais que isso, ela descobriu que a postura pode ser leve e sem desconforto. Na verdade todo asana (postura) deve ser leve, daí a importância da prática constante. Como diz o mestre B.K.S. Iyengar:
"Quando o asana é feito corretamente, os movimentos do corpo são suaves; há luz no corpo e liberdade na mente. Quando o asana produz sensação de peso, está incorreto. Você deve transmitir a sensação de leveza para todo o corpo. (...) Quando há flexibilidade no corpo e leveza na mente, o asana está correto. Rigidez e peso demonstram que o asana está errado."
Salamba Sirsasana

segunda-feira, 14 de março de 2011

Yoga e autoconhecimento

"Conheça-se. Saiba o que é bom. Saiba quando parar." (Lao-tsé)
Cansou da terapia e quer se conhecer melhor? Pratique yoga.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Para diminuir a ansiedade

"A prática regular, perseverante e atenta do yoga é a base para a estabilidade da consciência."
                                                                           B.K.S.Iyengar, "Yoga - The Path to Holistic Health"

Desacelere ânimos exaltados com Uttanasana

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Livros

Uma aluna pediu que eu desse dicas de livros sobre yoga aqui no blog (oi, gente! Aceito sugestões de pauta, viu?!). Recomendo três títulos do mesmo autor com diferentes tratamentos sobre o assunto:

 "Luz na Vida"
   Autor: B.K.S.Iyengar
   Editora: Summus Editorial
O autor fala sobre o assunto com muita clareza e escreve de um jeito simples. Fácil de ler e extremamente profundo. Iyengar discorre sobre os vários aspectos do yoga (não só sobre as posturas), conta um pouco da própria vida, da própria prática (inspirador!) e traz o leitor para perto dele. Nunca imaginei que fosse virar livro de cabeceira... A cada releitura me surpreendo e aprendo coisas novas.
Para quem pratica, a leitura deste livro ajuda a enriquecer, aprofundar a prática e entender a vida de um jeito simples, sem firula. Para quem não pratica, uma bela reflexão sobre a vida (sem pieguice) e uma oportunidade de conhecer o vasto mundo do yoga.

"A Luz da Ioga"
  Autor: B.K.S.Iyengar
  Editora: Cultrix
Edição concisa e em português de "Light on Yoga" - cuja primeira edição é de 1966 -, este livro fala sobre o que é yoga, descreve as técnicas de como praticar 57 asanas (posturas) ilustrando-as com fotos minuciosas, ensina a prática de pranaiamas (técnicas respiratórias) e ainda contém no apêndice sugestões de sequências de asanas para estudar. Para praticantes.

"A Árvore do Ioga - A Eterna Sabedoria do Ioga Aplicada à Vida Diária"
 Autor: B.K.S.Iyengar

 Editora Globo
Reúne aulas e demonstrações apresentadas pelo mestre indiano Iyengar entre 1985 e 1987 na Inglaterra, na França, na Itália, na Espanha, na Suíça, e uma palestra proferida em Madras, na Índia, em 1982. Possui glossário com a tradução de termos em sânscrito e tem linguagem simples, preservando o jeito de o autor falar. Gostoso de ler e cheio de informações. Os praticantes de yoga vão gostar mais de ler este livro do que os não praticantes...

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Garudasana (Postura da Águia)

"Garuda" significa águia. Esse é também o nome do deus dos pássaros, segundo os hindus. Garuda representa um pássaro que tem rosto branco, bico aquilino, asas vermelhas e o corpo dourado, e é o meio de transporte do deus Visnu, que na mitologia hindu é aquele que conserva todas as coisas.
A prática regular da Postura da Águia desenvolve os tornozelos, remove a rigidez nos ombros e é recomendada para prevenir cãibras na musculatura das panturrilhas.
Se eu fosse um bicho queria ser uma águia...

Fonte: "Light on Yoga", B.K.S. Iyengar, Schocken.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Ensinamento védico

"Fale o que é verdadeiro, fale o que é agradável."
("Satyam bruyat priyam bruyat.")

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Utthita Parsvakonasana

B.K.S. Iyengar ensina
"Esta asana tonifica os tornozelos, joelhos e as coxas. Corrige defeitos nas pernas e coxas, desenvolve o tórax e reduz a gordura em volta da cintura e quadris. Alivia dores ciáticas e artríticas. Além disso, intensifica a atividade peristáltica e ajuda a evacuação." ("A Luz da Ioga", B.K.S. Iyengar, editora Cultrix)

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Como fazer uma postura de yoga

"Deve haver honestidade na abordagem e honestidade na apresentação. Ao realizar uma postura, você deve descobrir se seu corpo aceitou o desafio da mente, ou se a mente aceitou o desafio do corpo." (B.K.S. Iyengar, "A Árvore do Ioga", editora Globo)

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Yoga: antes e depois


Um dia o João (meu marido) comentou que achava que o yoga não tinha feito muitas mudanças em mim ("Você sempre foi calma, serena..."). No primeiro momento eu concordei com ele. Depois de um tempo, como num estalo, percebi que havia deixado de lado (LITERALMENTE) o hábito de sofrer por antecipação, uma tendência bem forte em mim antes da prática. Logo em seguida, meu professor perguntou durante a aula: "Pra onde o yoga está levando vocês? Vocês têm que se perguntar!" 
Não sei exatamente pra onde o yoga está me levando, mas sei que mudou um hábito que eu achava que era uma característica minha, como ter cabelo castanho escuro...
Resolvi perguntar a outros praticantes o que mudou após a entrada do yoga na vida deles (se é que mudou). Olha o que eles disseram:

“Eu acho que realmente aprendi a usar menos a cabeça. Ainda me pego às vezes cheia de minhocas, mas isso já mudou muito. E aprendi a viver mais o momento, a ansiedade diminuiu bastante. Mas não é algo que alguém possa ver de fora, mesmo os mais próximos não sabem tudo o que passa por aqui. É algo bem interno, assim como o yoga. Apesar de muita gente dizer que virei uma pessoa mais leve...” (Mariana Akamine Bergamasco, professora de yoga)

“Muita coisa realmente mudou em minha vida, me tornei uma pessoa mais centrada, menos ansiosa, menos crítica com os outros. Acho que uma palavra que descreve todas as minhas mudanças internas é o santosha [contentamento], tenho mais contentamento em meus dias, com a natureza, com as pessoas que estão ao meu redor, enfim me sinto feliz com todas as coisas. Há algum tempo atrás estava eu, como dona de casa, reclamando comigo mesma: ‘Nossa... Essa casa para limpar, tenho ainda que lavar roupas e ir ao mercado, que estresse!’. Parei um segundo e uma palavra soou na minha mente... santosha... e mudei totalmente meu padrão de pensamento, agradecendo pois tenho um lugar para morar que é meu, quantas pessoas não têm, tenho roupas para me vestir e tenho um mercado onde posso ir com R$ para comprar o que preciso e neste mercado vai ter essas mercadorias para que eu possa adquirir. Enfim me sinto um ser humano melhor hoje do que quando não praticava.” (Cassia Saito, professora de yoga)

“O que mudou foi que minha mente ficou mais organizada. Antes eu era bombardeado de muitas ideias, pensamentos, vontades, sonhos ao mesmo tempo. Me sentia no meio de um tornado e o Mundo girando loucamente à minha volta. Comecei a ser fiel à prática de yoga e percebi que essa ventania tinha parado. E encontrei um silêncio interno. Mas ao mesmo tempo uma noção de espaço, tempo e presente. Minhas ideias e pensamentos se organizaram e pude sentir melhor o meu pé no chão. E é esse silêncio que venho procurando todos os dias em minha prática.” (Renan Mazzali, professor de yoga)

“O que mudou em mim... Creio que estou me tornando uma pessoa com mais disciplina em outros momentos do dia, além daqueles em que busco exercitar durante a prática. Essa disciplina se manifesta no modo de falar e de me organizar. Também percebo a sensação de bem-estar, físico e mental, que está cada vez mais constante, tenho até conseguido me concentrar melhor. Se fosse para resumir em poucas palavras, diria que a prática de yoga está me trazendo mais equilíbrio a cada dia.” (Ana Márcia Zago, designer gráfica e praticante de yoga)

“Minha postura física mudou de forma significativa no dia a dia - é impossível sentar, ficar de pé ou caminhar como fazia antes das aulas de yoga. Com isso, o equilíbrio, respiração e outros aspectos físicos mudaram para melhor. Como consequência, a prática fornece instrumentos naturais para a busca do equilíbrio emocional, do repouso mental - o que parecia inacessível. Com o tempo, 'aprimorar' as posições fica cada dia mais prazeroso.” (Blanche Amancio Silva, jornalista e praticante de yoga)

“Eu não diria que a yoga mudou tudo na minha vida, mas mudou muita coisa. Me despertou pra uma percepção que eu nunca tinha experimentado e me fez ser uma pessoa mais observadora. E o que eu percebo é que quando essa percepção e observação sutil se instala na gente, elas abrem caminho pra uma série de mudanças: no modo de pensar, de agir, fazendo com que a gente tenha vontade de mudar alguns hábitos, por exemplo. Não porque alguém mandou ou sugeriu, mas porque a gente sente a necessidade de fazer o melhor pra nós mesmos.” (Luciana Gomes, professora de yoga)

“Depois que comecei a praticar yoga, passei a encarar alguns aspectos da minha vida de modo diferente, de modo mais equilibrado e sereno, tentando viver mais no momento presente.” (Patricia Buldo, delegada e praticante de yoga)

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Ardha Chandrasana

Ardha= metade
Chandra= Lua
Ardha Chandrasana= Postura da Meia-Lua
Neste asana (postura) o nosso corpo assume a forma da Meia-Lua. A prática de Ardha Chandrasana é benéfica àqueles que têm problemas nas pernas. Além disso proporciona a tonificação da coluna na região lombar e os nervos ligados aos músculos das pernas. Tanto os joelhos quanto a coluna tornam-se flexíveis. Esse aumento de flexibilidade rejuvenesce a coluna e alivia dores nessa região. Além desses, há outros benefícios: alívio da dor ciática, alívio de gastrite e acidez no estômago e correção de prolapso no útero. Segundo B.K.S. Iyengar, esta é a única postura de pé que remove o cansaço quando feita contra a parede. Tempo de permanência ideal: de 20 a 30 segundos (de cada lado).
Contraindicações: não se deve praticar Ardha Chandrasana nos casos de dor de cabeça por tensão, enxaquecas, pressão nos olhos, veias varicosas, diarreia e insônia. Os hipertensos devem fazê-la olhando para a frente (e não para cima).
Fonte: "Light on Yoga", B.K.S. Iyengar, Schocken; "Yoga - The Path to Holistic Health", B.K.S. Iyengar, DK

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

"Se deseja um futuro glorioso, transforme o presente. Não há outra escolha." Patanjali (Sutras)

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Pratique! Chova ou faça sol...

Muitos alunos que buscam regularidade em sua prática de yoga conseguem manter a frequência às aulas a despeito de imprevistos, cansaço, humores, problemas de saúde ou de outra natureza. Provavelmente essas pessoas têm um grau de disponibilidade grande também para outras atividades. Isso não significa que essas pessoas têm necessariamente mais tempo disponível, mas disponibilidade interna. Certamente elas já perceberam que manter a prática regular de asanas (posturas de yoga) geralmente ajuda a minimizar o efeito de imprevistos, desconfortos, enfim, acontecimentos naturais do dia a dia. É sabido que praticar asanas tem efeito terapêutico, e não é exagero afirmar que é possível eliminar certos sintomas. Se você ainda não experimentou o poder da prática regular, não desista dela quando tiver a próxima dor de cabeça!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

"Estado de presença: cada poro da pele deve se tornar um olho."
                                                                                   B.K.S.Iyengar

B.K.S.Iyengar ensinando Salamba Sarvangasana (Postura do Pouso sobre os Ombros)